Você ajudaria uma criança passando frio? | Espiritualidade nos Negócios

Você ajudaria uma criança passando frio?

O que você faria se encontrasse num ponto de ônibus uma criança, literalmente, congelando em meio ao frio? Qual seria sua reação? Você daria seu casaco para ela? Você oferecia ajuda ou simplesmente viraria as costas para a situação?

Uma ONG norueguesa fez um experimento social para descobrir a reação das pessoas e, com uma câmera escondida, documentou a reação das pessoas que passavam por um garoto de 11 anos congelando num ponto de ônibus, em Oslo.

A iniciativa tem por objetivo chamar a atenção do mundo para a situação precária das crianças na Síria e arrecadar fundos para a campanha de inverno da SOS Children’s Villages, ONG que atua em Damasco e Aleppo, cidades bastante afetadas pela guerra civil na Síria. As doações são feitas pelo site http://www.sos-barnebyer.no/syriahelp .

Veja o vídeo

Em tempo:
Desde que a guerra civil contra o regime do ditador Bashar al-Assad teve início, em março de 2011, na Síria, mais de 11 mil crianças foram mortas, a maioria por bombas e granadas, segundo informações da Oxford Research Group. Das 11.420 vítimas identificadas com 17 anos ou menos, 389 foram mortas por atiradores. Além disso, 764 teriam sido executadas sumariamente, e mais de cem – incluindo crianças pequenas – foram torturadas, segundo o relatório.

De acordo com outro relatório, da ONU, grupos opositores apoiados pelo Ocidente na Síria recrutam crianças refugiadas em países vizinhos enquanto forças do governo sírio detêm e torturam crianças ligadas a rebeldes. “O sofrimento suportado pelas crianças na República Árabe da Síria desde o início do conflito, conforme documentado neste relatório, é inexplicável e inaceitável”, disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon na coletiva de imprensa. Mais de dois milhões de pessoas – em sua maioria mulheres e crianças – fugiram do conflito na Síria, que começou com protestos populares contra Assad e culminou em uma guerra civil depois de uma repressão pelas forças de segurança.

Compartilhe

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*