Os 16 sintomas do despertar espiritual e os 13 hábitos das pessoas conscientemente mais atentas | Espiritualidade nos Negócios

Os 16 sintomas do despertar espiritual e os 13 hábitos das pessoas conscientemente mais atentas

De forma geral, as pessoas mais espiritualizadas, ou conscientes, costumam ter comportamentos parecidos. São serenas, adotam uma postura positiva frente à vida e encaram problemas e obstáculos como oportunidades de aprendizado e crescimento. Outro ponto em comum ligado ao despertar da consciência está no fato de que estas pessoas costumam viver, literalmente, no presente.

Achou estranho?! Explico melhor: você pode não perceber, mas no dia a dia, nossa mente tem o (péssimo) hábito de passar muito mais tempo no passado e no futuro do que no agora. Dispendemos muita energia remoendo mágoas e frustrações do passado e nos preocupando ou projetando cenários futuros. Com isso, deixamos deixamos escapar o momento mais precioso que temos à nossa disposição: o presente!

Muitas vezes, estamos ali parados ou mesmo fazendo uma determinação ação sem que, de fato, estejamos presente naquele momento. Não raro, a mente costuma viajar e divagar enquanto fazemos uma determinada tarefa. Esta identificação com a mente nos enfraquece e nos afasta da nossa consciência e resulta num ruído mental incessante, que nos impede de encontrar a serenidade interior. Outra armadilha decorrente desta situação é a identificação inconsciente com as nossas emoções. Quando isso acontece e estamos, por exemplo, com raiva de algo, nossa mente e nosso corpo passam a se identificar de tal forma com esta emoção negativa, que perdemos o contato com a nossa essência para nos tornarmos, de fato, “raiva” ou qualquer outra sensação que estejamos vivenciando.

É importante compreender que pensamento e consciência não são sinônimos. “O pensamento é um pequeno aspecto da consciência. O pensamento não consegue existir sem a consciência, mas a consciência não necessita do pensamento”, ensina Eckhart Tolle, autor do livro “O Poder do Agora”. “A iluminação significa chegar a um nível acima do pensamento, e não ficar abaixo dele, ao nível de um animal ou de uma planta. No estado iluminado, continuamos a usar nossas mentes quando necessário, mas de um modo mais focalizado e eficiente… O estado de mente vazia é a consciência sem o pensamento. Só assim é possível pensar criativamente, porque somente desse modo o pensamento tem alguma força real”, explica.

Atenção plena no presente
Um caminho para estabelecer uma conexão mais profunda com a consciência é cultivar no dia a dia a “atenção plena”, ou “mindfulness” (em inglês). Mindfulness é uma forma de se conectar com a vida, prestar atenção ao momento presente, sem julgamento, prestar atenção ao que acontece de fato à nossa volta no momento presente, observar as reações da nossa mente aos relacionamentos, sentimentos e às coisas que acontecem em nossas vidas, ao invés de ficar à mercê da reações emocionais, pensamentos negativos e medos que infestam a mente.

“Embora vivamos neste momento presente, ele permanece espremido entre as nossas preocupações com o futuro e o passado”, afirma Jon Kabat-Zinn, professor emérito de Medicina e diretor fundador da Clínica de Redução do Stress e do Centro de Atenção Plena em Medicina, na Escola Médica da Universidade de Massachusetts. Segundo o professor, quando não conseguimos calar nossos pensamentos, isso afeta o sono e serve como gatilho para diversos problemas de saúde, como a depressão, que, embora seja somente criação da nossa cabeça, tendemos a encarar como uma verdade. “Permanecemos apenas pensando, vivendo dentro de nossas cabeças e com isso deixamos de viver uma dimensão muito maior do que realmente é a experiência humana”, afirma.

Embora seja uma característica básica e natural da consciência, a atenção plena, assim como as demais habilidades humanas, requer treinamento, dedicação, disciplina e prática constante para aflorar. Precisa ser, literalmente, cultivada. A meditação é um caminho poderoso para o desenvolvimento deste estado de consciência.

16 sintomas do despertar espiritual
Normalmente, as pessoas que atingem este despertar passam a experimentar, com o tempo, os seguintes sintomas:
1. Uma tendência maior de deixar que as coisas aconteçam, ao invés de fazer elas acontecerem
2. Ataques frequentes de sorrisos
3. Sentimento de estar conectado com as outras pessoas e com a natureza
4. Episódios frequentes e irresistíveis de apreciação
5. Uma tendência a pensar e agir de forma espontânea, no lugar do medo baseado em experiências passadas
6. Uma habilidade inequívoca de apreciar cada momento
7. A perda da habilidade de se preocupar
8. A perda do interesse no conflito
9. A perda de interpretar as ações dos outros
10. A perda no interesse em julgar os outros
11. A perda no interesse em julgar a si mesmo
12. Um desejo profundo de “se descobrir”, compreender qual é seu propósito e sua missão
13. Florescimento da sensibilidade, intuição e da criatividade
14. Aumento da atenção plena, da percepção sensorial e da consciência
15. Compreensão mais profunda das relações de interdependência e prática mais constante da empatia e da compassividade
16. A conquista da habilidade de amar sem esperar nada em troca

13 hábitos das pessoas conscientemente mais atentas
Curioso notar que estes sintomas estão atrelados diretamente aos hábitos que as pessoas mais conscientes costumam adotar em suas vidas, conforme descreve Carolyn Gregoire, em um artigo publicado para o The Huffington Post. Conheça os hábitos destas pessoas e comece a praticá-los também. É igual dieta. Da mesma forma que nosso corpo precisa seguir algumas regras e hábitos saudáveis para fica em forma, nossa consciência também precisa ser alimentada com cuidado e carinho:

1. Elas fazem caminhadas
Caminhar por áreas verdes pode mergulhar o cérebro em estado meditativo, segundo um estudo britânico de 2013. Descobriu-se que o ato de caminhar ao ar livre, numa paisagem tranquila, desencadeia a “atenção involuntária” – ou seja, prende nossa atenção ao mesmo tempo em que permite a reflexão.

2. Convertem tarefas diárias em momentos de atenção consciente
Como explica o aplicativo de meditação Headspace: “A atenção consciente fica realmente interessante quando começamos a integrá-la ao nosso cotidiano. Lembre que ‘atenção consciente’ significa estar presente no aqui e agora. Se você puder praticá-la sentado numa cadeira, por que não quando estiver fazendo compras, tomando uma xícara de chá, comendo sua refeição, segurando seu filho no colo, trabalhando ao computador ou batendo papo com um amigo? Todas essas são oportunidades de aplicar a atenção consciente, de ficar consciente.”

3. Elas são criativas
A atenção consciente e a criatividade andam de mãos dadas. A prática da atenção consciente reforça o pensamento e trabalho criativo, que pode te fazer mergulhar num estado de consciência intensa. Se você quer ganhar mais atenção consciente, mas tem dificuldade com a prática da meditação silenciosa, experimente fazer a sua atividade criativa favorita, quer seja assar pão, rabiscar desenhos ou cantar no chuveiro, e veja como seus pensamentos se aquietam quando você mergulha no estado de fluxo, o flow.

4. Elas prestam atenção à respiração
A respiração é um barômetro de nosso estado físico e mental total – e é também o alicerce da atenção consciente. Como bem sabem as pessoas conscientes, acalmar a respiração é a chave para acalmar a mente. Em Shambhala Sun, o mestre de meditação Thich Nhat Hahn descreve a prática mais fundamental e eficaz para a atenção consciente, a respiração consciente: “O objeto de sua atenção consciente é sua respiração, quando você simplesmente volta a sua atenção a ela. ‘Inspirando, esta é minha inspiração.’ ‘Expirando, esta é minha expiração.’ Quando você faz isso, o discurso mental cessa. Você para de pensar. E não é necessário nem se esforçar muito para isso. Esse é o milagre da prática. Você não pensa mais no passado. Não pensa no futuro. Não pensa em seus projetos, porque está voltando sua atenção presente a sua respiração.”

5. Elas fazem uma coisa de cada vez
Praticar o “multitasking”, ou realizar várias tarefas ao mesmo tempo, é o inimigo da atenção focada. Muitos de nós passamos nossos dias num estado de atenção dividida e “multitasking” quase constante, e isso nos impede de verdadeiramente viver no presente. Estudos constataram que, quando as pessoas são interrompidas e têm sua atenção dividida, levam 50% mais tempo para cumprir uma tarefa e têm 50% mais chances de cometer erros. “Em vez de dividir nossa atenção, é muito mais eficaz fazer intervalos frequentes entre períodos de atenção sustentada sobre uma só coisa”, escreve Sharon Salzberg, autora de Real Happiness at Work, num blog do Huffington Post. “Desmentindo o mito do ‘multitasking’, nos tornamos melhores naquilo que fazemos e aumentamos as chances de conseguir lembrar os detalhes do trabalho que fizemos no passado.”

6. Elas NÃO ficam checando seus smartphones a toda hora
As pessoas que praticam a atenção consciente têm um relacionamento saudável com seus smartphones e outros aparelhos: elas definem e respeitam parâmetros específicos para seu uso. Podem, por exemplo, fazer questão de nunca iniciar ou concluir o dia olhando seus e-mails. Podem até optar por deixar o smartphone num cômodo separado quando vão dormir. Podem optar por desligar o aparelho aos sábados ou quando saem de férias. As pessoas que interagem conscientemente com outras afastam seus olhos das telas e olham nos olhos da pessoa com quem estão interagindo. Desse modo, desenvolvem e mantêm vínculos mais fortes em todos seus relacionamentos.

7. Elas procuram experiências novas
A abertura à experiência é um subproduto da vida vivida com atenção consciente: as pessoas que priorizam a atenção presente e a paz de espírito tendem a absorver e desfrutar momentos de assombro e alegria simples. As novas experiências, por sua vez, podem nos ajudar a ganhar mais atenção consciente.

8. Elas saem para a natureza
Passar tempo na natureza é uma das maneiras mais poderosas de nos darmos um “reboot” mental e recuperarmos uma sensação de paz. Pesquisas constataram que passar tempo ao ar livre pode aliviar o estresse, além de melhorar os níveis de energia, memória e atenção.

9. Eles realmente sentem o que estão sentindo
Praticar a atenção consciente não quer dizer viver feliz o tempo todo. Significa aceitar o momento em que estamos e sentir o que sentimos, sem tentar resistir ao sentimento ou controlá-lo. As pessoas conscientes não tentam evitar emoções negativas ou sempre olhar para o lado positivo das coisas. Em vez disso, aceitar as emoções tanto positivas quanto negativas e deixar que os sentimentos diferentes coexistam é um elemento chave para a pessoa se manter equilibrada e lidar com os desafios da vida de maneira consciente.

10. Elas meditam
Você pode praticar a atenção consciente sem meditar, mas todas as pesquisas e todos os especialistas nos dizem que a meditação é a maneira mais certeira de ganhar atenção consciente. A prática regular da meditação ajuda a reduzir o estresse, melhorar a função cognitiva e incrementar o bem-estar. Pesquisas constataram que a meditação de atenção consciente pode até modificar a expressão dos genes, reduzindo a resposta inflamatória do corpo.

11. Elas têm consciência do que põem em seus corpos e mentes
Com frequência enfiamos comida na boca sem prestar atenção ao que estamos comendo e a quando estamos satisfeitos. As pessoas conscientes criam o hábito de ouvir seu corpo. Elas se nutrem conscientemente com alimentos saudáveis, preparados e consumidos com cuidado. Comer conscientemente significa tomar o tempo necessário para comer, prestar atenção aos sabores e sensações, focar sua atenção totalmente sobre o ato de comer e as decisões relacionadas a ele. Os praticantes da atenção consciente também prestam atenção à mídia que consomem, tomando cuidado igual para não alimentar sua mente com “junk food”, como televisão em excesso, mídia social demais, games jogados sem atenção e outras calorias psicológicas vazias.

12. Elas lembram de não se levar a sério demais
Um fator crítico para cultivar uma personalidade consciente é recusar-se a se envolver demais na constante guerra das emoções. Se você puder se lembrar de dar risada e manter-se calmo em meio aos altos e baixos, já terá percorrido um bom caminho para dominar a arte da atenção consciente. As pessoas que conseguem manter um senso de humor em relação aos seus problemas são mais capazes de lidar com eles. Pesquisas da Universidade da Califórnia em Berkeley e da Universidade de Zurique constataram que a capacidade de rir de nós mesmos está associada ao bom astral, personalidade alegre e senso de humor.

13. Elas deixam seus pensamentos voar
Ao mesmo tempo em que a atenção consciente significa focar no momento presente, o devaneio também exerce uma função psicológica importante, e as pessoas conscientes conseguem encontrar um meio-termo feliz entre essas duas maneiras de pensar. É inteligente questionar se devemos sempre viver no momento. As pesquisas mais recentes sobre imaginação e criatividade mostram que, se estivermos sempre presentes no momento, perderemos conexões importantes entre nossos devaneios internos e o mundo externo. Fantasiar e exercer o pensamento imaginativo podem até nos deixar mais conscientes. Pesquisas descobriram que as pessoas cujos devaneios são mais positivos e específicos também têm escores altos de atenção consciente.

Mindfulness

Nesse vídeo, o Dr. Jon Kabat-Zinn explica o conceito da atenção plena e a importância de estarmos sempre presentes no momento.

 

 

 

Mas, afinal, como atingir a atenção plena? Existe técnica e exercício pra isto? David Nichtern (professor da linhagem budista Shambhala, instrutor de yoga e meditação) ensina algumas técnicas básicas de mindfullness nesse vídeo.

 

 

 

 

“A sabedoria só pode sugir quando você acessa a dimensão do não-pensar em você mesmo. Homens e mulheres sábios não têm nada que você não tenha. Ele ou ela simplesmente estão atentos à dimensão da quietude, do não-pensar”, afirma Eckhart Tolle. Nesse vídeo, ele fala sobre como trazer isso às tarefas do dia a dia e permanecer alerta ao presente.

 

 

 
Autor: Fernando Ferragino
Autora do texto sobre os 13 hábitos das pessoas mais atentas: Carolyn Gregoire

 

Compartilhe

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*