Assuma 4 Compromissos e mude sua vida (pra melhor!) | Espiritualidade nos Negócios

Assuma 4 Compromissos e mude sua vida (pra melhor!)

Todo janeiro é a mesma coisa. Fazemos um balanço do ano anterior e uma série de promessas para o ano que se inicia. Tão logo caímos na rotina, acabamos nos esquecendo e deixamos de cumprir metade daquilo que prometemos e empurramos mais uma vez as mesmas promessas para o ano que vem. Talvez o problema esteja no foco distorcido que temos do compromisso assumido. É preciso calibrar melhor a “intenção”. O ponto é: nada na sua vida irá melhorar ou mudar enquanto você não olhar para dentro de si e resolver as questões e crenças que o amedrontam e o prendem no mesmo lugar, impedindo-o de seguir adiante. Para quebrar este ciclo, neste ano, eu proponho que você faça diferente e assuma quatro grandes compromissos para a sua vida:

1. Seja impecável com a sua palavra
2. Não leve nada para o lado pessoal
3. Não tire conclusões
4. Sempre dê o melhor de si (nem mais nem menos)

Embora concorde plenamente com as afirmações, é importante deixar claro que estas quatro recomendações não são minhas, mas resoluções propostas pelo xamã mexicano Don Miguel Ruiz, médico que largou a carreira de cirurgião para abraçar as tradições culturais de uma longa linhagem de curandeiros e assumir o posto de nagual – nome dado aos xamãs na tradição tolteca. Com milhões de livros vendidos no mundo, as palavras de sabedoria de Don Miguel já conquistaram uma grande lista de celebridades, como o ex-presidente norte-americano Bill Clinton e a apresentadora Oprah. Eu tomei conhecimento do seu trabalho após ler a entrevista que ele concedeu ao jornalista Lauro Henriques Jr, no livro “Palavras de Poder – volume 3”. Aliás, os depoimentos que utilizo nesta matéria foram extraídos justamente desse livro (recomendo a leitura!). Segundo Don Miguel, os quatro compromissos devem servir como uma bússola moral, que devemos utilizar para guiar nossa conduta, como também para que possamos anular as crenças internas que limitam nossa evolução. “Nossa existência é baseada em compromissos que assumimos com nós mesmos, só que a maioria deles serve apenas para nos sabotar. Precisamos mudar esses compromissos, temos que nos dar conta de que não viemos aqui para sofrer, mas sim para ser felizes”, afirma.

Primeiro Compromisso
Seja impecável com a sua palavra
Embora pareça simples à primeira vista, é um dos desafios mais difíceis que temos ao longo da vida. No dia a dia, costumamos não dar muito importância para aquilo que dizemos, mas a palavra tem um poder enorme sobre os outros e sobre as crenças e limitações que você mesmo se impõem, ou aceita das outras pessoas. É por meio da palavra que manifestamos e expressamos nosso poder criativo, que a nossa intenção ganha forma e desenha a história que acontece à nossa volta. “Se somos impecáveis com a palavra, se a usamos de forma íntegra, verdadeira, significa que nossa história será uma história bonita, digna, verdadeira. Do contrário, se usamos a palavra de forma errônea, significa que nossa vida será norteada de dramas e dificuldades. A palavra é como uma afiada espada de dois gumes: pode criar a história mais bela ou fazer da vida um inferno. Porque a vida é muito simples, somos nós que a tornamos difícil”, explica Don Miguel. Dito de outra forma: evite as fofocas, a maledicência, críticas e julgamentos.

Evite também a autosabotagem! É preciso tomar muito cuidado com as mensagens que você envia a si mesmo, pois elas traduzem a forma como nos apresentamos aos outros e ao mundo. Ou seja, se você tem autoestima baixa e está sempre se desvalorizando, usando sempre o conveniente chapéu de “coitadinho” e “vítima” (tipo “não sou bonito, inteligente ou capaz o suficiente”), esta é justamente a mensagem que será entregue às pessoas ao seu redor. Segundo Don Miguel, essas “mentiras” que você repete a si mesmo, ouve dos seus pais ou da sociedade ao longo da vida são a razão pela qual nos julgamos tanto. Daí advém nosso eterno complexo de rejeição. “Se você não aceita a si mesmo, é porque ainda acredita nas mentiras que o mundo lhe disse, é porque passa a vida tentando atingir um nível de perfeição que só existe na sua cabeça. Enfim, é muito importante não usar a palavra contra si mesmo. Pelo contrário, é preciso ter confiança, ter fé em si mesmo. Somos os únicos que podemos mudar nossa história, e fazemos isso mudando a relação que temos com nós mesmos”, afirma.

Segundo Compromisso
Não leve nada para o lado pessoal
Você já reparou na quantidade de pessoas “mimimi” que existem atualmente? Não sabe o que é isso? “Mimimi” é aquela pessoa pra quem você não pode dizer nada, porque tudo é motivo de ofensa, que leva tudo para o lado pessoal, adora fazer tempestade em copo d’água e tem vocação nata pra estrelar as cenas mais dramáticas dos contos de Shakespeare. Nesse mundo politicamente correto (e chato!), onde uma charge virou motivo suficiente pra decretar o assassinato de um cartunista, precisamos lembrar que só veste a carapuça quem concorda com o que está sendo dito. Aqui também é preciso separar o seu “ser” daquilo que as pessoas acreditam que você seja. Imagem e percepção são diferentes de realidade! Explico: quando alguém fala alguma coisa de você, esta pessoa está falando, na verdade, sobre uma imagem, ou seja, sobre aquilo que acredita que você seja, e não de fato sobre quem realmente você é, “capisci”? Ou seja, se ofender pra quê? Tudo depende da forma consciente como recebemos aquilo que o outro está dizendo. E aí mora outro problema: não sabemos “ouvir”! “A chave é aprender a escutar. Se você escutar abertamente as outras pessoas, vai dar-se conta de que muito do que elas dizem pode fazer sentido para você. E tudo o que não fizer sentido, você simplesmente decarta, não leva para o lado pessoal”, recomenda Don Miguel. Nessa questão, outro ponto importante é tomar ciência de que seu umbigo não é o centro do universo. Sabe quando um grupo de pessoas perto de você está dando risadas e você tem certeza de que o motivo tem a ver com você?! Pois é, nessas horas, é bom saber que você e a Terra giram ao redor do Sol e não o contrário. Seu ego ainda precisa aprender que nem tudo que acontece no mundo diz respeito a você. E lembre-se: a forma como as outras pessoas te tratam é uma projeção daquilo que elas são.

Terceiro Compromisso
Não tire conclusões
O que foi dito anteriormente nos leva diretamente ao terceiro compromisso. Temos a mania de tirar conclusão antecipada de tudo na vida. Trata-se da famosa síndrome conhecida como “sofrimento por antecipação”. Muitas vezes, ao tirar conclusões precipitadas, criamos e sofremos por situações que se desenrolam somente nas nossas mentes e que nunca irão acontecer. Tudo porque temos a presunção de sempre achar que a nossa forma de pensar é a correta e também porque temos medo de fazer perguntas. Além de coragem, falta humildade também para perguntar ao outro por que ele tomou determinada atitude ou como está se sentindo. Sempre optamos pelo caminho mais curto da presunção. No meio corporativo, as conclusões precipitadas são sempre um veneno que contamina o ambiente de trabalho e quebra a confiança entre gestores e liderados. Muitas vezes, por preguiça ou falta de tempo, um gestor recebe a notícia de que algo está errado com determinado projeto ou processo. A falha acontece quando, ao invés de investigar o problema e ouvir todas as pessoas envolvidas, o líder resolve tirar conclusões de forma precipitada, levando apenas em consideração aquilo que julga ser verdade. “Quanto mais clareza tivermos na comunicação com os outros, menos dramas teremos na vida. Todo o drama em nossa vida é fruto basicamente desse ruído mental, dessas suposições que fazemos em nossa cabeça, só que nada disso é real”, afirma Don Miguel. Para domar esse ruído mental, precisamos reestabelecer a conexão com nosso silêncio interno e torná-lo cada vez mais presente em nossas vidas. A oração, a meditação e a yoga são podersos instrumentos nesse sentido.

Quarto Compromisso
Sempre dê o melhor de si (nem mais nem menos)
É por meio do cumprimento desse compromisso que validamos e demonstramos na prática nosso comprometimento com todas as resoluções assumidas até aqui. É o desdobramento prático da nossa intenção. Aqui, a regra é: independentemente das circunstâncias, resultados e dificuldades existentes no meio do caminho, faça sempre o melhor que puder! Nem mais nem menos. Achou estranho? Segundo Don Miguel, o “nem mais nem menos” deve-se ao fato de que o nosso melhor nunca é o mesmo, mas algo que varia o tempo todo, de acordo com o momento, se estamos cansados, doentes ou cheios de energia, por exemplo. A doação deve sempre respeitar os limites do corpo. “A questão primordial é sempre fazer o melhor que você puder, com a consciência de que o seu melhor nunca é o mesmo, pois as próprias circunstâncias da vida variam. Isso é o que lhe permite dar sempre o seu melhor, mas não ultrapassar o seus próprios limites, não desrespeitar a si mesmo. Você faz o seu melhor, mas com humildade, com a consciência de que nem sempre pode fazer tudo. Humildade, inclusive, para pedir ajuda quando for preciso”, explica o xamã. “Quando damos o nosso melhor, entramos em contato com o que há de mais belo e verdadeiro em nosso interior”, conclui.

O cumprimento desses quatro compromissos é tarefa para uma vida inteira. Mas, com certeza, um pacto mais sincero e verdadeiro consigo mesmo, ou melhor, com a sua essência, e que lhe permitirá trilhar o caminho do amor e colher felicidade em todos os lugares que a vida te levar. Não deixe (de novo) para o ano que vem. O melhor momento pra começar é sempre o agora!

Autor: Fernando Ferragino

Ficou com preguiça de ler o texto inteiro? Ehlaiá… Veja um resumo no vídeo abaixo:

Compartilhe

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*