Ganhe sua vida de volta | Espiritualidade nos Negócios

Ganhe sua vida de volta

Está faltando tempo na agenda da sua vida? A correria e as exigências impostas pelo cotidiano fazem com que a gente desperdice um tempo precioso alternando entre o que o lama budista Padma Samtem chama de bolhas de ilusão. Imersos em bolhas de orgulho, competição, inveja, raiva e medo, não enxergamos as situações com clareza e, muitas vezes, tendemos a desrespeitar o outro ou ultrapassar limites éticos. Pra sair desta armadilha, Padma afirma que precisamos reduzir a velocidade e olhar amorosamente para todos a nossa volta. “O desafio do caminho espiritual começa aí: dirigir o mundo interno e assim gerar ambientes melhores para nós e para todos os seres”. Veja o artigo:

É comum a sensação de que o tempo é curto para o que temos que fazer. Mas observe que essa sensação não é inédita; o sentimento de urgência já surgiu em outros contextos que não importam mais. É que a intensidade da vida e suas eternas exigências manifestam um sentido apenas momentâneo, passageiro.

Imersos na bolha do orgulho, como se estivéssemos acima das pessoas com quem convivemos, estamos tomados pela sensação de glória, de poder. É comum nos confundirmos com os cargos que assumimos. Todos parecem estar sob nosso poder e sentimos que merecemos vantagens especiais. Essas situações flutuam brilhantes, mas se rompem, inevitavelmente. O poder é passageiro.

Situações de emoções febris podem surgir no local de trabalho, ou mesmo com pessoas da família. Com o rosto crispado e fala ríspida – tomados pela sensação de exercer um direito natural – defendemos nosso espaço ultrapassando os limites do que seja ético. Podemos mesmo suprimir a condição de vida de outras pessoas e dos seres da natureza? A prepotência e a violência surgem dentro dessa que é a bolha da competição e inveja.

Essas bolhas a que me refiro podem ser variadas. Buda descreve seis emoções geradoras dessas experiências que parecem (mas só parecem) universos sólidos e reais: o orgulho, a inveja, o desejo e o apego, o torpor mental, a sensação de carência, a raiva e o medo. Seguindo desse modo, em algum momento podemos acordar para a clareza de que estávamos desperdiçando nossa preciosa vida simplesmente transmigrando entre bolhas ilusórias, sem lucidez. Estamos forçados a viver desse jeito? Como fazer a mudança?

A intensidade e a pressão do tempo não deveriam se tornar argumento para comprometer a lucidez e a liberdade de sua mente e de suas emoções. Queremos a felicidade e não o sofrimento. Por isso, simplifique seus dias e reduza a velocidade. Olhe amorosamente a todos e a cada um. Melhor criarmos relações verdadeiras e elevadas conosco mesmo, com os outros ao nosso redor, com os seres da natureza e com as autoridades. Assim, você ganhará sua vida de volta.

Nesta busca, descobrirá seus velhos hábitos tentando impulsioná-lo. Verá o mundo flutuando entre a visão lúcida, ampla, e a cármica condicionada. O desafio do caminho espiritual começa aí: dirigir o mundo interno e assim gerar ambientes melhores para nós e para todos os seres. É a capacidade luminosa que torna preciosa a nossa vida humana.

Autor: Padma Samtem – lama budista
Fonte: Vida Simples

Compartilhe

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*