Ibrahimovic dá voz a 805 Milhões de Nomes que lutam contra a fome no mundo | Espiritualidade nos Negócios

Ibrahimovic dá voz a 805 Milhões de Nomes que lutam contra a fome no mundo

O jogo de futebol entre Paris Saint-German e Caen, disputado no dia 14 de fevereiro, no Parque dos Príncipes (França), foi uma das partidas mais importantes na vida do craque Zlatan Ibrahimovic. Após marcar um gol, Ibrahimovic tirou sua camisa, não em comemoração ao feito (como era de se esperar), mas para mostrar ao mundo os 50 nomes, tatuados em seu corpo, de pessoas que lutam diariamente contra a fome no mundo.

Promovida pela The United Nations World Food Programme (Programa Mundial de Alimentação das Nações Unidas), a campanha estrelada por Ibrahimovic visa chamar atenção para as 805 milhões de pessoas que sofrem com a fome no mundo atualmente. Trata-se de um número alarmante, pois significa dizer que uma em cada nove pessoas não consegue obter comida suficiente para levar uma vida saudável e ativa. Muitas delas são crianças, vítimas da guerra, desastres naturais e da pobreza extrema. “Tenho torcedores em todo o mundo. A partir de hoje, quero que este mesmo apoio seja direcionado às pessoas que realmente precisam. Assim, toda vez que você ouvir meu nome, você pensará nos nomes deles. Toda vez que você me ver, você verá eles”, diz o atleta no vídeo.

Em tempo: Ibrahimovic removeu as tatuagens (que eram falsas) do seu corpo no jogo seguinte. E foi criticado por algumas pessoas. No entanto, vale ressaltar que a ação gerou uma grande repercussão, atraindo a atenção do mundo para o problema, e que embora as tattoos não estejam mais em seu corpo, as pessoas permanecem sob a mesma condição, precisando de ajuda, conforme o craque fez questão de lembrar.

Saibas mais
Embora não apareçam nas páginas principais dos jornais, a fome e a má nutrição são o principal risco à saúde mundial, maior ainda que a Aids, malária e tuberculose juntas. A boa notícia é que o problema tem solução, uma vez que há no planeta comida suficiente para alimentar toda a população. Vontade política, comprometimento de autoridades e a criação de políticas específicas são determinantes para solucionar a questão da fome. De acordo com a ONU, um bom progresso para reduzir a fome crônica foi feito nos anos 80 e 90, mas as ações começaram a perder força a partir do ano 2000.

A World Food Programme (WFP) é a maior agência humanitária mundial dedicada à erradicação da fome no mundo inteiro, alimentando cerca de 80 milhões de pessoas em 75 países. É parte do sistema da ONU e mantida com a ajuda de voluntários.

Conheça a história por trás de alguns nomes tatuados em Ibrahimovic:

Ibrahimovic1

Chheuy (8 anos) e Lida (9 anos), do Camboja
Melhores amigas desde o primeiro ano, Chheuy e Lida estão determinadas a ser as primeiras em suas famílias a chegar ao ensino médio. Ainda assim, caminham até a escola todas as manhãs com o estômago vazio.

Ibrahimovic2

Siatta (30 anos), da Liberia
A família de Siatta perdeu sete membros devido ao Ebola em menos de nove semanas. Siatta e sua irmã Famatta são os únicos adultos remanescentes na família. Juntas, elas tomam conta de seis crianças com idades entre 4 e 16 anos – seus irmãos, irmãs e sobrinhos.

Ibrahimovic3

Mariko (80 anos), da República Democrática do Congo
Sua face e seus cabelos carregam as marcas da sabedoria. Mas seus olhos expressam uma grande fadiga mental e física. Mariko chegou ao campo de refugiados de Mugunga depois de escapar da violência na sua vila.

Ibrahimovic4

Sawsan (13 anos), da Síria
Sawsan e sua família foram forçados a fugir da violência na Síria e buscaram abrigo no maior campo de refugiados da Jordânia. O pai de Sawsan sempre jogou futebol. Hoje, ele treina o time de crianças no abrigo de refugiados. As crianças o amam. Sawsan sente muito orgulho do pai e é uma das melhores jogadoras do time.

Ibrahimovic5

Rahma (14 anos), do Iraque
Rahma chegou ao campo de refugiados de Harsham após fugir do conflito armado instalado em sua cidade natal, Mosul. Ela teme novos deslocamentos. Desde a fuga de Mosul, Rahma e sua família já se mudaram três vezes para três diferentes campos de refugiados no norte do Iraque.

Mais em wfp.org/805millionnames

Autor: Fernando Ferragino

Compartilhe

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*