O Ovo: A descoberta sobre nossa verdadeira natureza – Somos todos um | Espiritualidade nos Negócios

O Ovo: A descoberta sobre nossa verdadeira natureza – Somos todos um

Você já deve ter ouvido falar ou lido em algum lugar que nós, seres humanos, estamos todos interconectados, inclusive com toda a vida existente à nossa volta. Muitas religiões e filosofias pregam este conceito, mas você consegue compreender de fato a profundidade desta relação? Mesmo entre as pessoas com uma mente mais aberta, que acreditam, por exemplo, na reencarnação, muitos permanecem nadando no raso e, preocupados em tentar provar ou explicar como as coisas funcionam do outro lado da vida, acabam por deixar escapar o real significado sobre a nossa existência. As convenções e limitações impostas pela nossa mente, por nossas crenças, assim como pela compreensão restrita que temos sobre a relação espaço/tempo entorpecem nossos sentidos e nos impedem de enxergar fora da caixa. Baseado no texto de Andy Weir – “The Egg” -, o curta abaixo, adaptado e dirigido por Jon Jonson, oferece uma perspectiva mais ampla e transformadora sobre conceitos como reencarnação e o nosso verdadeiro Eu. Nessa história, após “morrer” e encontrar Deus, um homem finalmente tem a chance de desvendar os grandes enigmas da vida – quem somos, qual é o propósito da nossa missão na Terra e a verdadeira natureza, ou realidade, do universo. As respostas vão te surpreender…

Dentro desta mesma linha de pensamento, o vídeo “The Real You” utiliza uma mensagem do escritor e filósofo inglês Alan Watts (que ganhou fama ao traduzir e popularizar textos espiritualistas orientais no ocidente) sobre nossa verdadeira natureza e propósito. “O que você faz é o que o universo inteiro está fazendo no lugar que você chama de aqui e agora. Você é uma coisa que o universo inteiro está fazendo, da mesma forma que uma onda é algo que o oceano inteiro está fazendo. O verdadeiro ‘você’ não se resume a um boneco que a vida empurra de um lado para o outro. O verdadeiro e profundo ‘você’ é o universo inteiro”… Veja o vídeo e abra sua mente para o seu Eu real… Somos todos um!

Pra quem curtiu o vídeo “The Egg” (uma das muitas adaptações que viralizaram no Youtube), segue o texto original, na íntegra, escrito por Andy Weir. Vale a pena a leitura!

O Ovo
Texto de Andy Weir

Você estava a caminho de casa, quando morreu. Foi um acidente de carro. Nada particularmente memorável, mas fatal de qualquer forma. Você deixou uma esposa e dois filhos. Foi uma morte sem dor.

O resgate tentou o melhor pra te salvar, mas sem sucesso. Seu corpo estava tão quebrado que foi melhor assim, confie em mim. E foi aí que você me conheceu.

– O que… o que aconteceu? – você me perguntou. – Onde estou?
– Você morreu. – eu disse, de prontidão. Sem medir as palavras.
– Havia um… um caminhão e eu estava derrapando descontrolado…
– É… – eu disse.
– Eu… eu morri?
– Sim. Mas não se sinta mal. Todos morrem.

Você olhou ao redor. Não havia nada. Apenas eu e você.

– O que é este lugar? Isso é a vida depois da morte?
– Mais ou menos.
– Você é Deus?
– Sim. Eu sou Deus.
– Meus filhos… minha esposa… E quanto a eles?
– Eles ficarão bem. Isso que eu gosto de ver. Você acabou de morrer e sua maior preocupação é sua família. Há uma coisa boa aí.

Você olhou para mim com fascínio. Para você, eu não me parecia com Deus. Eu apenas parecia como outro homem. Ou possivelmente uma mulher. Alguma figura com vaga autoridade, talvez. Mais uma professora de gramática que o todo-poderoso.

– Não se preocupe. Eles estarão bem. Seus filhos se lembrarão de você como perfeito em todos os sentidos. Eles não tiveram tempo de crescer e desrespeitá-lo. Sua mulher irá chorar por fora, mas estará aliviada secretamente. Para ser sincero, seu casamento estava desmoronando. Se serve de consolo, ela se sentirá muito culpada de se sentir aliviada.
– Ah… Então, o que acontece agora? Eu vou para o paraíso ou alguma coisa do tipo?
– Nenhum dos dois. Você vai reencarnar.
– Ah… Então os hindus estavam certos.
– Todas as religiões estão certas nas suas próprias maneiras. Caminhe comigo.

Você me seguiu enquanto caminhávamos através do nada.

– Onde estamos indo?
– Nenhum lugar em particular. Apenas é legal caminhar enquanto conversamos.
– E, qual o objetivo, então? Quando eu renascer, estarei zerado, certo? Um bebê. Então todas minhas experiências e tudo que eu fiz nesta vida não vão importar.
– Nem tanto! Você tem por dentro todo conhecimento e experiências de todas suas vidas passadas. Você apenas não as lembra neste momento.

Eu parei de andar e coloquei as mãos no seu ombro.

– Sua alma é mais magnífica, bonita e gigante do que você possa imaginar. Uma mente humana pode conter apenas uma pequena fração do que você realmente é. É como enfiar seu dedo em um copo de água para ver se está quente ou fria. Você coloca uma pequena parte de você em um recipiente, e quando você tira você ganhou todas as experiências que ele tinha. Você tem sido humano pelos últimos 48 anos, então você ainda não esparramou pra fora toda a sua imensa consciência. Se caminhássemos por tempo suficiente, você começaria a se lembrar de tudo. Mas não há razão para fazer isso entre cada vida.
– Por quantas vidas eu estive reencarnando, então?
– Ah, muitas. Muitas e muitas. E em muitas vidas diferentes. E desta vez, você será uma lavradora chinesa em 540 d.C.
– Espere, o que? Você vai me mandar de volta ao passado?
– Bem, acho que sim, tecnicamente. O tempo, como você conhece, existe apenas no seu universo. As coisas são diferentes de onde eu venho.
– De onde você vem?
– Ah claro. Eu vim de outro lugar. Outro lugar. E existem outros como eu. Eu sei que você quer saber como é lá, mas honestamente você não entenderia.
– Ah… Mas espere. Se eu reencarno em outros lugares no tempo, eu posso ter interagido comigo mesmo em algum ponto.
– Claro. Acontece o tempo todo. E como as duas vidas têm conhecimento somente acerca de sua própria existência, você nem sabe que está acontecendo.
-Então qual o sentido de tudo isso?
– Sério? Sério que você está me perguntando o sentido da vida? Isso não lhe parece um estereótipo?
– Bom, é uma pergunta justa.

Eu te olhei nos olhos.

– O sentido da vida, a razão pela qual eu fiz esse universo inteiro, é para você amadurecer.
– Você diz a humanidade? Você quer que a gente se desenvolva?
– Não, apenas você. Eu fiz este universo inteiro pra você. Com cada nova vida você cresce e desenvolve um maior e melhor intelecto.
– Só eu? E todas as outras pessoas?
– Não há outras pessoas. Neste universo, só há eu e você.

Você olhou surpreso pra mim.

– Mas e todas as pessoas na Terra…
– Todos você. Encarnações diferentes de você.
– Espere! Eu sou todo mundo!?
– Agora você está entendendo.
– Eu sou todo humano que já viveu?
– Ou que irá viver, sim.
– Sou Abraham Lincoln?
– …e você também é John Wilkes Booth.
– Eu sou Hitler?
– E os milhões que ele matou.
– Eu sou Jesus?
– E você também é todos que o seguiram.

Você ficou em silêncio.

– Toda vez que você fez mal a alguém, você estava fazendo mal a você mesmo. Toda bondade que você fez, você a você mesmo. Todo momento feliz ou triste vivido por qualquer humano, foi ou será vivido por você.

Você pensou por um longo tempo.

– Por quê? Por que tudo isso?
– Porque algum dia, você se tornará igual a mim. Porque isso é o que você é. Você pertence a minha linhagem. Você é minha criança.
– Uau! Você quer dizer que eu sou um deus?
– Não. Ainda não. Você é um feto. Você ainda está crescendo. Quando você tiver vivido toda vida humana do início ao fim, por todos os tempos, aí você terá crescido o suficiente para nascer.
– Então todo o universo é apenas…
– Um ovo. Agora é hora de você seguir para sua próxima vida.

E Eu te mandei pelo seu caminho…

Compartilhe

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*